VI Encontro Brasileiro de Coro Cênico - 08 a 12 de outubro de 2015

Coral Astra

O Governo do Estado de São Paulo,

 Secretaria da Cultura e

Coro Cênico Bossa Nossa CONVIDAM: 

Apresentação

Desde 2007, o Coro Cênico Bossa Nossa promove Encontros de Coros Cênicos. O objetivo desta iniciativa é instigar a reflexão sobre esta modalidade artística, que associa teatro com o canto coral. 

No Brasil o movimento coral, pelas nossas características culturais, caminhou para construção desta expressão artística.

Nomes como Marcos Leite, Samuel Kerr e Izaíra Silvino são expoentes deste movimento, com cada um deles tendo contribuido a sua maneira para impulsionar esta modalidade artística.

Esta é a sexta edição do nosso Encontro Brasileiro de Coro Cênico. Assim, continuamos a consolidar este movimento de forma a criar espaço para troca de experiências entre os grupos, apresentar o processo artístico dos criadores na modalidade, bem como promover espaços de formação artística para os integrantes.

A intenção do Bossa Nossa ao propor essa programação é única e exclusivamente para acender novas conquistas.                                                                                                     Odônio dos Anjos

 

 

PROGRAMAÇÃO VI Encontro Brasileiro de Coro Cênico

 

Dia 08/10 - Quinta-feira

 

Apresentação - 21h

 

Espetáculo - Nóis ganha poco mais nóis si diverti – Tributo a Adoniran Barbosa

Coro Cênico Bossa Nossa - Ribeirão Preto/SP

 O espetáculo concebido como programa radiofônico é ambientado em um estúdio de rádio. As canções de Adoniran Barbosa são entremeadas por reclames, rádio-novela, noticiário, momento culinário e uma adaptação de Histórias das malocas, escrito e produzido por Osvaldo Moles para a Rádio Record nos anos 50. A série tinha como personagem central o anti-herói Charutinho, uma das notáveis criações de Adoniran Barbosa. 

 

PROGRAMA DO ESPETÁCULO

Samba do Arnesto - Adoniran Barbosa. *

Praça da Sé - Adoniran Barbosa. **

Vila Esperança - Adoniran Barbosa. ***

As mariposa - Adoniran Barbosa. ****

Saudosa maloca - Adoniran Barbosa.

No Morro da Casa Verde - Adoniran Barbosa. *****

Tiro ao Álvaro - Adoniran Barbosa. *

Iracema - Adoniran Barbosa. *

Trem das onze - Adoniran Barbosa. ***

 

*  Arranjos deAdriane Biagini

**  Arranjo de Samuel Kerr

*** Arranjo deSuzana Samorano

*** Arranjo Coro Cênico Bossa Nossa

***** Arranjo deAdriane Biagini e Daniel Silva

 

Ficha Técnica

 

Elenco

Adriane Biagini

Bia Ferreira

Christopher Moreira

Daniel Silva

Fabiano Rangel

Fernanda Cecchi

Gi Bertone

Odônio dos Anjos

Rita Paula Ignácio

 

Direção Musical e Teclado: Adriane Biagini

Assistentes Musicais: Fernanda Cecchi e Rita Paula Ignácio

Concepção, Espaço Cênico e Encenação: Magno Bucci

Assistente de Palco: Renata Gattás

Percussão e Produção: Fabiano Rangel e Odônio dos Anjos

Sonoplastia: Rogério Ceneviva

Contrarregra: Daniel Feii

 

Dia 09/10 - Sexta-feira

 

Apresentação - 21h

ESTRÉIA

Espetáculo - Se não for para me fazer voar bem alto nem tire meus pés do chão

Coro Cênico Bossa Nossa - Ribeirão Preto/SP

 

Se não for para me fazer voar bem alto nem tire meus pés do chão, criação em coro cênico do Bossa Nossa, trabalha com um tema recorrente, “bíblico” e sem data de validade: porque a eternidade nunca mais seria a mesma desde que o primeiro homem encontrou a primeira mulher e fizeram tudo que fizeram, continuam e... continuarão fazendo tudo in aeternum. Se não for... fala de homem e mulher, na tentativa de arranhar – para entender melhor! – a interminável novela sobre as relações deliciosas, buliçosas e  insondáveis entre UM e UMA. O espetáculo canta uniões e junções entre O e A que acontecem a qualquer tempo em qualquer lugar.

 

PROGRAMA DO ESPETÁCULO

LUZIA – Itamar Assumpção. *

VALSA BRASILEIRA – Chico Buarque. ****

FOGO E GASOLINA – Pedro Luís e Carlos Rennó. ****

SE VOCÊ JURAR – Ismael Silva, Nilton Bastos e Francisco Alves. ****

INCOMPATIBILIDADE DE GÊNIOS – João Bosco  e Aldir Blanc. ****

FIM DE CASO – Dolores Durán.****

NERVOS DE AÇO – Lupicínio Rodrigues.** 

CADEIRA VAZIA – Lupicínio Rodrigues e Alcides Gonçalves. ****

MEU AMANHÃ – Lenine. ***

EU SÓ QUERO ACABAR COM VOCÊ – Validuaté. ****

MIL PERDÕES – Chico Buarque. ****

A NÍVEL DE – João Bosco e Aldir Blanc. ****

SAMBA DE AMOR E ÓDIO – Pedro Luís e Carlos Rennó. ****

 

* Arranjo de José Gustavo Julião de Camargo

** Arranjo de Adriane Biagini

*** Arranjo de Adriane Biagini e Daniel Silva

**** Arranjo de Celso Branco

 

Ficha Técnica

 

Elenco

Adriane Biagini

Bia Ferreira

Christopher Moreira

Daniel Silva

Fabiano Rangel

Fernanda Cecchi 

Odônio dos Anjos

Rita Paula Ignácio

 

Direção Musical: Adriane Biagini

Assistentes Musicais: Fernanda Cecchi e Rita Ignácio

Trilha Musical: Eduardo Loja

Concepção, Espaço Cênico e Encenação: Magno Bucci

Assistente: Renata Gattás

Figurinos: Coro Cênico Bossa Nossa

Produção: Odônio dos Anjos e Fabiano Rangel

Sonoplastia: Rogério Ceneviva

Contrarregra: Daniel Feii

Adereços: Dino Bernardi

Fotos: André Paterlini

Estagiário bolsista PRCEU/USP: Victor Carpini

 

Dia 10/10 - Sábado

 

Apresentação - 21h

 

Espetáculos - Músicas de Cinema e Singing in the Train

Coral Astra  - Jundiaí/SP

 

O Coral Astra foi formado em agosto de 1999 com o objetivo de promover a cultura, a integração e momentos de lazer entre os funcionários da empresa. Conta, atualmente, com 23 integrantes. O grupo é regido pela maestrina Vasti Atique e, para a composição das cenas, conta com o ator e diretor Marcelo Peroni. Atualmente acompanham o coral os músicos Angela Lima ao piano e Dantas Rampin na percussão.O grupo começou com apresentações no auditório da empresa e no Grêmio Esportivo Astra (GEA) e aos poucos, o coral foi crescendo e os convites começaram a surgir.  Nos últimos cinco anos o Coral Astra fez cerca de 60 apresentações em diversas cidades do estado de São Paulo e em Minas Gerais. O que diferencia o Coral Astra dos demais é a forma de apresentação de seus repertórios, sempre com cenas e figurinos característicos. Desenvolveu os seguintes musicais: “Pescador e mulher rendeira”, “Programa de Rádio dos anos 50,  “Jovem Guarda”, “Músicas regionais do Brasil”, “ Homenagem a Adoniran Barbosa e Alvarenga e Ranchinho”, “ Boteco Maracangalha” e “Músicas de Cinema”. Atualmente o repertório contempla músicas que falam sobre “Trens” – Singing in the Rain.

 

PROGRAMA DOS ESPETÁCULOS

 

Músicas de Cinema:

Flagra - Rita Lee / Arranjo de Diogo Marques

Família Addams - Vic Mizzy / Arranjo de Mark Brimer

We Go Together/ Summer Nights / Arranjo de Mark Brimer

Dancing Days - Nelson Motta e Ruban Sabino / Arranjo de Stella Junia

Tropa de Elite - Tihuana – Arranjo de Diogo Marques

 

Singing in the Train:

Maria Fumaça - Kleiton e Kledir / Arranjo de Diogo Marques

Trem do Pantanal - Paulo Simões /Geraldo / Arranjo de Álvaro Loreto

Trem das Onze - Adoniran Barbosa / Arranjo de Roberto Rodrigues

Encontros e Despedidas - Milton Nascimento e Fernando Brant / Arranjo de Eduardo Carvalho

 

Ficha Técnica

 

Elenco

Dalva Maria Furquim

Ivanildo Vidal da Silva

Jair Perandini

Maria Angélica Perandini

Jonas de Oliveira

Miriam Lúcia Bernardes

Adriana Maria Otero

Ana Claudia Calheta Casemiro

Cristiane Ferreira Leal Savieto

Cristina Aparecida Bernardes

Fátima Aparecida Pelozim

Leila Vilma Bossi

Lorena de Souza Vieira

Nanci Ramazini

Patrícia Forte Martini

Priscila Carmen Teixeira

Sandra Regina da Silva Costa

Daniel Ricardo Freire

Davi Augusto Rego

Matheus Menezes

Matias Wilson de Paula

 

Direção Musical: Vasti Atique de Toledo Ferraz

Direção Cênica: Marcelo Peroni

Músico: Luís Henrique Oliveira Silva

Pianista: Ângela Lima Soares

 

Dia 11/10 – Domingo

 

 

Apresentação - 19h

 

Espetáculo - Qual é?

Canarinhos da Terra  - Campinas/SP

 

O Projeto desenvolve ações de responsabilidade social, utilizando a música e as artes integradas como foco de suas atividades e tem a parceria da Unicamp e patrocínio da Petrobras e GVT.

Fundado em 1996, representou o Brasil no "XXX, Congresso Internazionale de Pueri Cantores", realizado em Roma no ano 2000.

Mantém cerca de 490 alunos em seus programas educacionais, na Unicamp e com as Escolas Públicas de Campinas, em uma estrutura sequencial de aprendizado, seguindo uma linha de desenvolvimento com base na inovação e na criatividade e utilizando metodologias atualizadas quer no aspecto social, quer no aspecto artístico.

Com ações diretas com a comunidade local e escolas, desde 2005 tem desenvolvido produções culturais de alto nível de qualidade, 

que possibilitaram seu reconhecimento público através das premiações na área de Cultura: Prêmio Pontinhos de Cultura em 2008 e 2010 pelo MinC, Prêmio Areté 2010 pelo MinC, Edital Pontos de Culura 2009 pela SEC-SP, Mapa Cultural Paulista 2009 pela SEC-SP, e na área de Educação pelo Prêmio Itaú Unicef em 2013.

Em 2007, gravou o CD - "Os Canarinhos cantam Lindembergue Cardoso", sendo o primeiro registro digital da "Missa Nordestina", do mesmo autor e teve sua produção cultural “Encantos de Cordel - uma Opereta Nordestina” selecionada para a Mostra Cultural da TEIA Paulista de Cultura em 2013.

 

 

PROGRAMA DO ESPETÁCULO

Qual é?  - Marcelo D2 / Adaptação de Vastí Atique

Olhos Coloridos – Macau / Arranjo de Grupo Vox4

Mas que Nada – Jorge Ben Jor / Arranjo de André Protasio

Sina – Djavan / Arranjo de Alexandre Zilahi

Swingin’ Sweet Chariot – Tradução de Spiritual

Roda Viva – Chico Buarque / Arranjo de Patrícia Costa

Vem prÁ Rua – O Rappa

Epitáfio – Sérgio Brito / Arranjo de Tânia Vaz

 

Ficha Técnica

 

Elenco

Ana Julia Aureo

Beatriz Affonso Delgado

Beatriz Machado de Sousa Engholm

Cardoso

Beatriz Reiner Torres

Bruna do Nascimento

Benevides

Caio Fernando Cezarino

Celina de Jesus Rodrigues

Parra

Clara Gomes Borges

Fayrus Borges El-Khatib

Fernanda Lima Maciel da Silva

Gabriel de Souza Della Negra

Gabriela Paulo Robles

Hugo Lima Souza

Iara Silva Rodrigues

Igor Folli Cabral Herrero

Jaqueline Teresa Ferreira

Alves Bezerra

Julia Coletti

Letícia Coelho Ferreira

Luiz Marcelo Siqueira Batista

Maria Aurora de Jesus

Shimabukuro

Mariana Tase Ricardo

Marina Alvarado de Medeiros

Rafael Moraes de Lima

Sofia Lina Ruiz Dos Santos

Terezinha Julia Menezes

Marche

Victor Hugo Picerni

Yara Cabral Seixas

 

Projeto Canarinhos da Terra – UNICAMP

Grupo Jovem Meninos Cantores

 Regência e Direção Artística: Vastí Atique

Direção Cênica: Marcelo Peroni

Direção Executiva: Luiz Pedro Simoni

Preparador Vocal: Rafael Novello da Silva

Percussão: Livia Carolina de Oliveira

Pianista: Thaís Teixeir Fabbri

Apoio: Rosângela A. Affonso Delgado, Adalto Bezerra, Delgado Filho e Maria Cristina Santos Silva 

 

Dia 12/10 - Segunda-feira

 

Apresentação - 16h

 

Espetáculo - Circo de Latão

Último Tipo - Goiânia/GO

 

Uma menina de uma pequena cidade do interior se surpreende com a chegada de um circo. Encantada com o acontecimento, ela se aproxima da Cantora, do Cara Bem Legal que Fazia de Tudo um Pouco, e do Palhaço. Passa a encher dois latões de água que abastecem o circo e assim, recebe ingressos para assistir aos espetáculos. Porém, ela descobre que este é um circo diferente, onde um mágico farsante faz desaparecer quase todas as atrações e não sabe trazê-las de volta. Este é o grande drama dos artistas. Mas, ao contrário deles, apegados às estruturas e aos padrões preestabelecidos (visão dos adultos), a menina não sente falta do que desapareceu, vê apenas a beleza e a magia que seus novos amigos são capazes de proporcionar com o que têm em mãos. E é esta a visão que por fim predomina e que desperta nela a vontade de se tornar artista. E, à medida que a amizade e a confiança aumentam, ela resolve abrir o jogo e pedir para ir embora com eles. Porém, ela é apenas uma criança e não pode deixar sua família. Então, seus novos amigos ajudam-na a perceber que ela já era feliz antes do circo chegar. Aos domingos, a principal atração do circo é uma peça teatral. Nela, a Fada das Formas, que é responsável pelas formas existentes no mundo, é visitada por um matador de mosquitos muito sem graça, o qual quer ser transformado em palhaço. Mas a fada logo o convence de que mudar a natureza das pessoas não costuma dar bons resultados. Explica que uma vez fez isso transformando um professor em mágico, e este foi para um circo e fez desaparecer tudo, até ele mesmo.

 

PROGRAMA DO ESPETÁCULO

O nome disso

Vamos passear de carro

Todo mundo vai ao circo

O palhaço baiano

O pato pateta

Adaptações do folclore

 

Ficha Técnica

 

Elenco

Déo Piti - Percussão e voz - Personagem: Palhaço

Lóra Brito - Percussão e voz

Jara Carvalho - Violão e Voz – Personagens - Cara Bem Legal e Matador de Mosquitos

Velú Carvalho - Atriz – Personagens - Menina e Fada das Formas

 

Texto: Velú Carvalho

Direção: Déo Piti

Iluminação: André Salvador

 


Atividades de Extensão do VI Encontro

 

Dia 10/10 – Sábado – 9h

Conferência Magna: Coro Cênico: origem, desenvolvimento e caminhos – Antonio Pantaneschi

 

Dia 11/10 – Domingo - 9h 

Prática de Coro Cênico

Voz: aspectos da oralidade na fala e no canto – Vastí Atique

O processo criador cênico e o canto coral – Marcelo Peroni

 

Mostra Virtual

De 8 a 12/10 – 16 as 19h

A mostra virtual reúne vídeos de coros cênicos, material de mostras anteriores, além de registros audiovisuais de grupos vocais que associam trabalho cênico e musicais encontrados pelo Bossa Nossa.

 

ENTRADA GRATUITA EM TODAS AS ATIVIDADES

 

As apresentações serão no Teatro Municipal de Ribeirão Preto, com retirada de ingressos no local uma hora antes das apresentações. Endereço: Praça Alto do Morro São Bento s/ nº - Jardim Mosteiro.

 

As atividades de formação serão no Centro Cultural Palace.

Inscrições:  www.corocenicobossanossa.com. Endereço: Rua Duque de Caxias, 322 (esquina com Álvares Cabral) – Centro.

 

A mostra virtual será no CineClube Cauim. Endereço: Rua São Sebastião, 920 – Centro.

 

Coro Cênico 

CORO CÊNICO é ainda uma ideia em processo de elaboração, uma “definição” em progresso; uma modalidade que arrisca conceituações que buscam fundamentos no estudo da evolução do coro, dos gregos aos nossos dias.

Em muitos aspectos, parte do movimento coral no Brasil, pelas nossas características culturais, caminhou para construção de uma linguagem que associou o teatro com o canto coral. Entretanto essa manifestação artística, apesar de crescente no país, ainda não se estruturou adequadamente, nem tão pouco tem se reunido amiúde para discutir a natureza dessa modalidade a qual se dá o nome de “coro cênico”.

A primeira oportunidade de reunião de interessados ocorreu por iniciativa do Coro Cênico Bossa Nossa no final de 2007, em Ribeirão Preto/ São Paulo, com apoio da FUNARTE. Tendo em vista que de 2007 a 2011 o grupo idealizador organizou cinco Encontros e tendo em vista também os resultados positivos que cada edição do evento conquistava, é interesse –  não apenas do Bossa Nossa, mas de todos que de alguma forma vincularam-se  as  cinco edições do Encontro – dar continuidade as discussões acerca do coro cênico, apresentando, refletindo e registrando  manifestação da modalidade artística, com o propósito de adensar as experiências e ampliação do intercâmbio.

 www.corocenicobossanossa.com